20 fevereiro, 2014

Resenha - Filme "A Menina que roubava Livros"


 
 
Só pela chamada já dá um arrepio "Quando a morte conta uma história você deve parar para ler"

Retratando alguns dos muitos fatos do que devem ter ocorrido na época de Hitler "A Menina que Roubava Livros", conseguiu descongelar até o mais frio dos corações, afinal uma humana que consegue atrair a atenção da morte de uma forma que ela chegue a pensar que poderia ser uma humana, não poderia ser diferente.

Uma história linda e emocionante, onde a pureza de uma bela menina, de olhos grandes e arredondados não consegue entender tanta brutalidade. Para ela é incrivelmente ridículo que os comunistas e os judeus não possam sair na rua normalmente e fazer parte da população como um todo, é estranho o fato de ninguém poder ler e ter que queimar os livros.

Liesel foi deixada com os novos pais logo após perder o irmão mais novo. Sua mãe não podia cria-la, era perigoso demais.

Na rua Paraiso foi onde Liesel trouxe a alegria para a casa número 33. Foi lá que um modelo de pai, alegre e cumplice a ajudou a ler seu primeiro livro, foi lá que uma mãe que parecia ter um "coração peludo", vestida de trovão demonstrou alguma forma de amor, mesmo que não descaradamente e ainda continuasse vestida de trovão.

Foi nessa mesma casa que Liesel encontrou em um amigo inesperado, um irmão mais velho, alguém que ao invés de cuidar dela, ela teve que cuidar, um comunista fugitivo que ela fez de tudo para manter vivo, para quem ela trouxe nas mais difíceis circunstâncias a vontade de viver, de saber que estava vivo e era feliz.

E fora de sua casa Liesel também conquistou outros corações, o principal foi o de Rudy. Rudy vizinho de Liesel, um garoto de quase 12 anos (como ele mesmo diz) se aproximou e se tornou amigo de Liesel desde o primeiro dia que a viu, Rudy com certeza foi o primeiro amor de Liesel, e ela dele. Aquele amor de criança, sem maldade, que caminham juntos até a escola, que tenta defender uma ao outro, que apostam corrida até o final da rua.

Por estes relatos, dá para perceber que provavelmente não era só a morte que via algo especial em Liesel.

Não sou de chorar em filmes, mas quando percebi as lagrimas já estavam lá, rolando pela minha face.

Eu não li o livro, sinceramente tentei lê-lo uma vez, parei quase na metade e não consegui finalizar. Por mais que eu tentasse, a história não fluía, pode ter sido o momento, tem vezes que não dá pra ler certo livro, não sei bem o motivo. O estranho é ver/ler as pessoas comentando que o filme tenha sido muito fiel ao livro e eu ter amado o filme.

Mais do que indicado, "A Menina que Roubava Livros" é um filme lindo!

2 comentários:

  1. Oi adorei sua resenha...mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem..busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir