30 dezembro, 2014

Os 10 livros que me marcaram no ano de 2014


Este Post é uma TAG que estou respondendo, fui marcada lá no instagram pelas meninas Fê @fehmessias do blog Na Estante da Lê e pela Fê do @bookshelf_one  do blog Bookshelf One

Apesar de não ter lido tantos livros quanto queria, li livros muito bons!

Dentre esses 10 livros que escolhi, alguns não classifiquei pela melhor história ou a história mais bonita, e sim as que me marcaram realmente! Mas no final acabei amando todos rs

Me conte também quais foram suas leituras marcantes em 2014 =D

A ordem foi feita pela leitura, ou seja, o primeiro livro, foi um dos primeiros que li no ano de 2014 e fui seguindo nessa ordem para descreve-los.




  1. O Silencio das Montanhas - Khaled Hosseini - Este livro simplesmente me surpreendeu de uma forma que eu não poderia imaginar, confesso que não esperava muito dele, mas é maravilhoso como as histórias contidas nele realmente te deixam de queixo caído e você fica admirado! Apesar de não ser proposital ele estar na primeira posição com certeza daria esta posição para ele!
  2. A Probabilidade Estatística do Amor a primeira vista - Jennifer E. Smith - Não há muito o que falar, apenas que li este livro em um dia. A história é tão fofa e romântica que quando percebi o livro já tinha acabado e eu estava sorrindo sozinha rs
  3. Quem é você Alasca? - John Green - Este é aquele tipo de livro que não são todos os tipos de pessoas que gostam, porque quando você chega ao final, você tomou um "baque", e apesar de eu ter amado as descrições do autor em diversos aspectos, e sim ter gostado do final, tenho certeza que muitas pessoas não gostaram ou até, nem conseguiram terminar de ler
  4. Divergente -Veronica Roth - Uma trilogia polêmica e apesar dos pesares, foi um ótimo livro! Eu amo distopia, descobri isso a pouco tempo, e o inicio dessa trilogia, na minha opinião foi maravilhoso, foi um "BUM" a forma como a autora conseguiu nos envolver tanto nas histórias, tanto é que passei muitas semanas descrevendo as ações que eu tinha como sendo da audácia, ou da abnegação  hahaha
  5. A Culpa é das estrelas - John Green - Preciso dizer alguma coisa? Acho que não, né?! Uma história linda e triste, que até as pessoas menos sensíveis foram capazes de chorar com esses personagens magníficos
  6. Tocada Pelas Sombras (Academia de Vampiros)- Richelle Mead - Estava ensaiando para ler estes livros a um tempo, e então resolvi lê-los (ainda faltam os dois últimos volumes da série para ler). Escolhi esse terceiro livro da série, que me marcou muito pelo final surpreendente, aconteceu algo que eu apesar de esperar não espera, e não estou mentindo quando digo a vocês que fiquei três dias pensando nesse final o tempo todo rs  
  7. Perdida - Carina Rissi - Um livro de um autor brasileiro! E uma autora que passou a estar entre os meus favoritos =D Comecei a ler por indignação de uma amiga, e quando percebi já estava muito envolvida com a história, ria sozinha o tempo todo com a Sofia e algumas vezes queria matar ela hehehe. Foi uma leitura ótima! Com certeza uma das melhores do ano, divertida e rápida, Todos deveriam ler!
  8. Se Eu Ficar - Gayle Forman - Um romance e um suspense, uma história sensível que já começa com uma fatalidade. Não era possivel desgrudar os olhos das páginas em momento algum e a cada instante eu ficava mais tensa para descobrir o que aconteceria.
  9. Para onde ela Foi - Gayle Forman - Comecei o livro meio em dúvida, apesar da vontade imensa de lê- lo, não sabia ao certo o que esperar devido ao final do livro anterior, mas então, percebi que a história só foi ficando melhor. Um romance lindo, cheio de surpresas, que arrisco a dizer: acabei gostando mais deste sequencia do livro do que do primeiro.
  10. Como eu era antes de você - Jojo Moyes - Agora entendo quando as pessoas dizem "Como não amar Will Traynor", e o que tenho a dizer sobre isso é que realmente é impossível! Lendo esse livro, você ri, você chora, se surpreende e fica estagnado com certas atitudes, começa a ver as coisas de um modo diferente no sentido de prestar mais atenção para cuidados com deficientes físicos. Enfim é uma linda história que deve ser lida com certeza!  



Não deixem de comentar ;) Beijos Dri

29 dezembro, 2014

Resenha - Boneca de Ossos - Holly Black



Título: Boneca de Ossos
Autora: Holly Black
Editora: #Irado
Páginas: 224

SINOPSE: POPPY, ZACH E ALICE sempre foram amigos. E desde que se conhecem por gente eles brincam de faz de conta – uma fantasia que se passa num mundo onde existem piratas e ladrões, sereias e guerreiros. Reinando soberana sobre todos esses personagens malucos está a Grande Rainha, uma boneca chinesa feita de ossos que mora em uma cristaleira. Ela costuma jogar uma terrível maldição sobre as pessoas que a contrariam.
Só que os três amigos já estão grandinhos, e agora o pai de Zach quer que ele largue o faz de conta e se interesse mais pelo basquete. Como o seu pai o deixa sem escolha, Zach abandona de vez a brincadeira, mas não conta o verdadeiro motivo para as meninas. Parece que a amizade deles acabou mesmo...

Poppy, Zach e Alice são amigos a um longo tempo e apesar de estarem já um pouco grandinhos, ainda têm uma brincadeira infantil em comum, mas que gostam muito, com bonecos e histórias fantasiosas, que eles mesmos vão inventando ao longo da brincadeira.
Poppy é quem geralmente lidera as fantasias e eles sempre levam isso muito a sério. 

"Então ele percebeu que a bolsa estava cheia de cinzas, e o que ele pensou serem conchas eram na verdade pedaços afiados e brancos de ossos."

Na casa de Poppy mora a "Rainha", uma boneca de ossos, que pertence a sua mãe, ela fica dentro de uma cristaleira e eles não te permissão de pegar a boneca, mas isso não os impedem de inclui-la na brincadeira, mesmo que de longe, porém a rainha é poderosa e eles não devem subestima-la.

Então um belo dia Poppy conta a Zach e Alice que começou a ter sonhos com um fantasma e com a "Rainha", e que não há outra forma de não serem assombrados a não ser cumprir o que o fantasma está lhe pedindo em sonhos. Eles devem encontrar e enterrar os ossos da "Rainha" no tumulo da menina que a assombra, para que assim todos possam ter paz.

"Mas ler a respeito e fazer eram coisas completamente diferentes."

Uma história onde crianças conseguem realmente viver uma aventura, que é, o que a maioria das crianças desejam viver (eu já desejei ter uma aventura quando criança rs).

Quando li a sinopse e algumas "chamadas" para o livro, achei que teria mais "terror", não foi o terror que eu pensei, neste quesito eu esperava algo mais,  porém em nenhum momento a história me decepcionou. 

Foi muito fácil me envolver com a história de Poppy, Alice e Zach.

Gostei da escrita da autora que ainda não conhecia, e já estou curiosa para ler um próximo livro dela.

"...Talvez todas as histórias fossem verdade."

Não deixem de comentar ;) Beijos Dri

22 dezembro, 2014

Novo conto de J. K. Rowling - A história de Umbridge e a inspiração para o personagem

Olá Leitores!

Saibam vocês que a nossa querida J. K. Rowling publicou alguns contos novos sobre a história do nosso bruxinho favorito no Pottermore, site oficial do Harry Potter.

Logo abaixo, vocês podem ficar por dentro da história inédita de Dolores Umbridge e de onde veio a inspiração de J.K. Rowling para esse personagem ;)

ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS PARA QUEM AINDA NÃO LEU OS SETE LIVROS.


Novidades de J. K. Rowling - A história de Umbridge



Aniversário: 26 de agosto

Varinha: Bétula e fibra de coração de dragão, vinte centímetros

Casa de Hogwarts: Sonserina

Habilidades especiais: Sua pena para castigos é sua invenção

Parentesco: Mãe trouxa e pai bruxo

Família: Solteira, sem filhos

Hobbies: Colecionar todos os pratos ornamentais ‘Felino Feliz’, colocar babados em tecidos e em objetos inanimados, inventar instrumentos de tortura.


Dolores Joana Umbridge era a mais velha e a única filha de Orford Umbridge, um bruxo, e Ellen Cracknell, uma trouxa, que também tinha um filho aborto. Os pais de Dolores não eram felizes em seu casamento, e ela secretamente desprezava ambos: seu pai por sua falta de ambição (ele nunca foi promovido, e trabalhava no Departamento de Manutenção Mágica no Ministério da Magia), e sua mãe, Ellen, por sua tolice, sujeira e linhagem trouxa. Orford e sua filha culpavam Ellen pela falta de habilidade mágica do irmão de Dolores, sendo que, quando Dolores tinha quinze anos, a família se separou ao meio, com Orford e Dolores ficando juntos, enquanto Ellen voltou ao mundo trouxa com seu filho. Dolores nunca viu seu irmão nem sua mãe novamente, nem nunca os mencionou, e, portanto, fingia para todos que conhecia que era uma puro-sangue.

Como bruxa formada, Dolores se juntou ao Ministério da Magia assim que saiu de Hogwarts, conseguindo um emprego como estagiária, um cargo muito baixo na Seção de Controle do Uso Indevido da Magia. Mesmo aos dezessete anos, Dolores era crítica, preconceituosa e sádica, porém, sua atitude cuidadosa, seu jeito meloso com seus superiores, e a crueldade e furtividade com os quais ela recebia crédito pelo trabalho alheio logo fez com que fosse promovida. Antes dos trinta anos, Dolores havia sido promovida para Chefe de Seção, e foi apenas um pequeno passo dali para posições ainda mais altas na gerência do Departamento da Execução das Leis da Magia. Nessa época, havia persuadido seu pai a se aposentar cedo, e ao deixá-lo com uma pequena mesada, assegurou-se de que ele saísse de cena. Quando lhe perguntavam (geralmente colegas de trabalho que não gostavam dela) ‘você é parente daquele Umbridge que costumava esfregar o chão aqui?’ ela punha o sorriso mais doce em seu rosto, ria e negava qualquer relação, dizendo que seu falecido pai havia sido um membro importante da Suprema Corte dos Bruxos. Coisas ruins aconteciam com quem perguntava sobre Orford, ou sobre qualquer coisa que Dolores não gostava de falar, e aqueles que não queriam contrariá-la fingiam acreditar em sua versão de sua ancestralidade.

Apesar de seus melhores esforços para conquistar um de seus superiores (ela nunca se importou com qual deles fosse, mas sabia que seu próprio status e segurança seriam melhorados com um marido poderoso), Dolores nunca conseguiu se casar. Apesar de valorizarem seu trabalho duro e ambição, aqueles que a conheciam melhor achavam difícil gostar dela. Depois de um copo de xerez doce, Dolores era propensa a mostrar visões bem pouco ortodoxas, e até aqueles que eram anti-trouxas ficavam chocados com algumas das sugestões de Dolores, atrás de portas fechadas, do tratamento que a comunidade não-mágica merecia.

Conforme ficou mais velha e rígida, e subiu mais dentro do Ministério, o gosto de Dolores por objetos femininos e infantis ficou cada vez mais pronunciado; seu escritório virou um lugar de babados e enfeites berrantes, e ela gostava de qualquer coisa decorada com gatinhos (apesar de achar os reais inconvenientemente bagunceiros). Quando o Ministro da Magia Cornélio Fudge ficou cada vez mais ansioso e paranóico sobre as intenções de Alvo Dumbledore de subjugá-lo, Dolores conseguiu chegar ao próprio coração do poder, ao atingir tanto a vaidade como os medos de Fudge, se apresentando como uma das poucas pessoas em quem ele podia confiar.

O trabalho de Dolores como Inquisidora em Hogwarts deu total liberdade, pela primeira vez em sua vida, para seus preconceitos e crueldade. Ela não havia gostado da época de escola, pois havia sido esquecida em todas as posições de responsabilidade, e adorou a chance de voltar e exercer seu poder sobre aqueles que não tinham (em sua visão) lhe dado o que ela merecia.

Dolores tem fobia de seres que não são parcialmente, ou totalmente, humanos. Seu desgosto pelo meio-gigante Hagrid, e seu terror de centauros, revelam um horror do desconhecido e do selvagem. Ela é uma pessoa extremamente controladora, e todos que questionam sua autoridade e visão de mundo devem, em sua opinião, ser punidos. Ela adora subjugar e humilhar os outros, e, exceto em suas alianças, não há muita diferença entre ela e Belatriz Lestrange.

O período de Dolores em Hogwarts acabou desastrosamente, pois ela passou por cima das permissões que Fudge havia lhe concedido, saindo dos limites de sua própria autoridade, levada por um senso fanático de auto-realização. Abalada, porém nada arrependida após o fim catastrófico de sua carreira em Hogwarts, ela retornou para um Ministério que estava em meio ao conflito devido à volta de Lord Voldemort.

Na mudança de regimes que se seguiu à aposentadoria forçada de Fudge, Dolores pôde voltar à sua posição antiga no Ministério. O novo Ministro, Rufo Scrimgeour, tinha problemas mais preocupantes do que Dolores Umbridge. Scrimgeour depois foi punido por esse desvio, porque o fato de o Ministério nunca ter punido Umbridge por seus abusos de poder soou a Harry Potter como a comprovação de sua complacência e descaso. Harry considerou a permanência de Umbridge em seu emprego um sinal da corrupção essencial do Ministério, e se recusou a cooperar com o novo Ministro por causa disso (Dolores é a única pessoa, além de Voldemort, a deixar uma cicatriz física permanente em Harry, havendo forçado o garoto a cortar as palavras ‘Eu não devo contar mentiras’ nas costas de sua própria mão durante as detenções).

Logo Dolores estava adorando sua vida no Ministério mais do que nunca. Quando o Ministério foi tomado pelo Ministro fantoche Pio Thicknesse, e infiltrado pelos seguidores de Lord Voldemort, Dolores finalmente mostrou quem era. Julgada corretamente, por Comensais da Morte experientes, que ela tinha muito mais em comum com eles do que já teve com Alvo Dumbledore, ela não só continuou em seu posto como recebeu mais autoridade, tendo se tornado Chefe da Comissão de Registros de Nascidos Trouxas, que efetivamente foi uma corte que prendeu todos os nascidos trouxas sob a acusação de que tinham ‘roubado’ suas varinhas e sua magia.

Foi enquanto estava no julgamento de outra mulher inocente que Harry Potter finalmente atacou Dolores no coração do Ministério, e lhe roubou a horcrux que estivera usando.

Com a queda de Lord Voldemort, Dolores Umbridge foi levada a julgamento por sua cooperação entusiasmada com o regime dele, e considerada culpada pela tortura, aprisionamento e morte de várias pessoas (alguns dos nascidos trouxas inocentes que ela sentenciou a Azkaban não sobreviveram à sua provação).

Dolores Umbridge - Inspirada em um personagem real


JK Rowling diz - Uma vez, há muito tempo, eu estudei uma certa matéria ou habilidade (estou sendo o mais vaga possível, por razões que irão se tornar óbvias), e ao fazer isso, tive contato com uma professora ou instrutora que não gostei logo de cara.
A mulher em questão retornou minha antipatia com interesse. Por que nos atingimos tão instantânea, apaixonada e (pelo menos no meu lado) irracionalmente, eu honestamente não sei dizer. O que fica na minha mente é o gosto pronunciado dela por acessórios melosos. Eu me lembro com detalhes de uma tiara de lacinho de plástico cor de limão pálido que ela usava em seu cabelo curto encaracolado. Eu costumava ficar olhando esse lacinho, que seria apropriado para uma menina de três anos, como se fosse uma espécie de tumor repulsivo. Ela era uma mulher um pouco grande, e não exatamente jovem, e a tendência dela de usar babados onde (eu acho) não deveriam estar, e de carregar bolsas de mão muito pequenas, de novo como se tivessem sido tiradas de um guarda-roupa infantil, batia, acredito, com uma personalidade que para mim era o oposto de doce, inocente e ingênuo.

Eu sempre tendo a ser um pouco cuidadosa quando falo desses tipos de fontes de inspiração, porque é enfurecedor ser mal compreendida de modos que podem causar muita dor a outras pessoas. Essa mulher NÃO ERA ‘a Dolores Umbridge real’. Ela não parecia um sapo, nunca foi sádica nem má comigo nem com mais ninguém, e eu nunca a ouvi expressar uma única opinião como a de Dolores Umbridge (de fato, eu nunca a conheci o suficiente para saber muito de suas visões ou preferências, o que torna o fato de eu não gostar dela ainda menos justificável). Porém, é verdade que emprestei dela, de um modo muito exagerado, o gosto pelo meloso e infantil nas roupas, e era daquele lacinho cor de limão de plástico que eu estava me lembrando quando imaginei o ornamento parecido com uma mosca na cabeça de Umbridge.

Percebi mais de uma vez na vida que o gosto pelo meloso pode andar de mãos dadas com uma visão de mundo distintamente radical. Uma vez dividi uma sala com uma mulher que tinha coberto a parede atrás de sua mesa de fotos de gatinhos fofinhos; ela era a mais intolerante e maliciosa defensora da pena de morte com quem eu já tive o azar de dividir uma chaleira. A paixão por tudo que é meloso parece presente onde há falta de conforto real ou caridade.

Então Dolores, que é um dos personagens que eu mais desprezo, se tornou uma amálgama das características tiradas dessas, e de uma variedade de fontes. Seu desejo de controlar, de punir e de infringir dor, tudo no nome da lei e da ordem, são, eu acho, tão repreensíveis quanto o princípio franco de adoração do mal de Lord Voldemort.

Os nomes de Umbridge foram escolhidos a dedo. ‘Dolores’ significa dor, algo que ela sem dúvidas infringe em todos ao seu redor. ‘Umbridge’ é uma variação de ‘umbrage’ da expressão britânica ‘to take umbrage’, que quer dizer transgressão. Dolores se ofende por qualquer desafio à sua visão de mundo limitada; senti que o sobrenome dela combinava com a pequenez e rigidez de seu caráter. É difícil explicar ‘Jane’; me pareceu bom e que combinava entre os dois outros nomes dela.

Espero que tenham gostado

Beijos
Dri


Créditos:
Autora: J. K. Rowling | Tradução: Mari Trevisan | Revisão: Luly Miranda
Postagem original: Débora Jacintho | Sites: Pottermore e Potterish


17 dezembro, 2014

Especial de Natal - Faça você mesmo! Parte III

Olá, Leitores!

Dicas de Natal para hoje... Ceia!!!

Quem é que não gosta da Ceia de Natal? Eu amo!

Geralmente é uma das datas do ano em que sua mãe, sua avó, ou aquela tia que sabe fazer uns doces legais, resolve ir para a cozinha e fazer aquele tipo de receita deliciosa e que é feita apenas uma vez ao ano, no Natal! rs

Eu sou daquelas pessoas que primeiro comem o prato com os olhos para depois comer/ provar realmente o sabor. Acho que a visão de um prato bonito ajuda em 40% para que ele realmente fique gostoso

Pensando dessa forma, separei vinte e cinco imagens com ideias para você decorar e cozinhar na sua Ceia de Natal e ela ficar ainda mais apetitosa

Algumas imagens parecem bem fáceis...

Para receitas, eu geralmente uso o site “tudogostoso”, tem receitas ótimas!



 Bolinho de chocolate com chantili e morango

Um prato mais saudável ;) 
Com brócolis e tomate cereja 

Balinha de goma - Deliciaaaa!!! 

Queijo, tomate, queijo  

 Acreditem ou não, isso é ovo e cenoura 
Uma graça!
 Azeitona, patê no recheio e cenoura

Espetinhos de salsicha com patê
Essas botas ficaram um charme! 


Bolo de chocolate com confetes  

Um brigadeiro sempre vai bem 

 Cookies

Banana no palito, com maça e uva 

Gelatina colorida, fácil de fazer e é sempre muito bem vinda ;) 

Árvore saudável! 

Morango, chantili, morango, chantili... hummmm 

 Torrada, patê, tomate, azeitona

Árvores de balas

E esse lindo bonequinho também com uva e chantili  

 Queijo

Guirlanda nutritiva


 Arte culinária


Cereja hummmm 

Pizza! Prática, é só comprar, cortar e enfeitar :)

 Pãezinhos saborosos 

Frutas!!! 

Parece uma melancia, mas... é uma salada


Gostaram? Espero que sim 
Beijos 
Dri

01 dezembro, 2014

Especial de Natal - Faça você mesmo! Parte II

Olá, Leitores!

Como combinamos, uma vez por semana teremos uma dica de Natal \0/

Hoje dando continuidade... é a vez dos enfeites, da decoração.

Na mesma linha de raciocínio... alguns podemos fazer facilmente, outros darão um pouco mais de trabalho, mas todos podem ser feitos.
São quarenta imagens de ideias para enfeites e decorações para o seu Natal ficar ainda melhor :)

Eu já estou no aquecimento, já comecei as preparações para o Natal.
E vocês?

Espero que gostem ;)
























Beijos
Dri